Showrunner de The Last of Us explica o quão real é a ameaça do fungo Cordyceps para os humanos

HBO Studios © Todos os direitos reservados
Publicado em Notícias há 2 semanas

The Last of Us começou na noite de domingo com um estranho prólogo aberto que se passa em um talk show em 1963. Um epidemiologista (interpretado pelo maravilhoso John Hannah, da fama de The Mummy e Spartacus) dá um aviso terrível a um apresentador incrédulo (Silicon Joshua Max Brener, de Valley) sobre a ameaça iminente de fungos. Hannah explica que certos fungos podem infectar e controlar seus hospedeiros animais e que os humanos poderiam ser os próximos se esses esporos mortais evoluíssem - digamos, devido às mudanças climáticas - para sobreviver em um clima ligeiramente mais quente.

“Se o mundo ficar um pouco mais quente, então há razão para evoluir”, disse ele. “Candida, cravagem do centeio, Cordyceps, Aspergilose – qualquer um deles poderia ser capaz de penetrar em nossos cérebros e assumir o controle não de milhões de nós, mas de bilhões. Bilhões de marionetes com mentes venenosas... e não há tratamento para isso, nem prevenção. Eles não existem, nem mesmo é possível fazê-los.”

Hollywood reporter perguntou ao showrunner Craig Mazin, que também fez o fascinante Chernobyl da HBO, quanto do discurso agourento de Hannah foi baseado na ciência real.

“É real – é real na medida em que tudo o que ele diz que os fungos fazem, eles fazem”, diz Mazin. “E eles atualmente fazem isso e têm feito isso para sempre. Existem alguns documentários notáveis que você pode assistir que são bastante assustadores. Agora seu aviso - e se eles evoluírem e entrarem em nós? — de um ponto de vista puramente científico, eles fariam conosco exatamente o que fazem com as formigas? Eu não acho. Eu duvido. Por outro lado, ele está certo - o LSD e a psilocibina vêm de fungos. O que eu disse a John foi: 'O que estamos fazendo nesta cena é dizer às pessoas que isso sempre esteve aqui'”. Mazin disse que a cena o fez pensar em uma preocupação semelhante que teve ao fazer Chernobyl.